ZN Entrevista – Baile do Passinho – Parte 3 – Dream Team do Passinho

Lelezinha Ferreira e Rafael Mike, parte da galera do Dream Team do Passinho | Foto: Fabiano Albergaria

Fechando a cobertura da última edição do Baile do Passinho e já no aquecimento para a festa de hoje, você confere a entrevista que fizemos com a galera talentosíssima do Dream Team do Passinho que arrasou no palco do Espaço CUFA com sua dança sensacional levando o público à loucura.

Lelezinha Ferreira e Rafael Mike, parte da galera do Dream Team do Passinho | Foto: Fabiano Albergaria

Lellêzinha e Rafael Mike, parte da galera do Dream Team do Passinho | Foto: Fabiano Albergaria

Lellêzinha, a musa do Passinho, estava simplesmente perfeita em seu macacão que deixava seus movimentos ainda mais lindos. Guiados pela voz de Rafael Mike, o grupo fez bonito no retorno do Baile e falou sobre a felicidade de ver esta nova fase do funk carioca

O Passinho sempre existiu nas comunidades, foi criado pelos moradores e o movimento foi crescendo. Nos sentimos muito honrados de poder ajudar o funk a ser visto de outra forma, como tem que ser. Claro que tem outras maneiras de fazer funk, como os proibidões, mas nós somos um grupo de funk que tem canto e dança e isso aproxima o funk do pop.

O Dream Team do Passinho arrasou no palco do Espaço CUFA | Foto: Fabiano Albergaria

O Dream Team do Passinho arrasou no palco do Espaço CUFA | Foto: Fabiano Albergaria

E o clima do Baile era realmente maravilhoso e tão leve, que até crianças arriscavam seus passinhos na pista. No palco, além da dança, o figurino do grupo chamava a atenção e Lellêzinha contou sobre a concepção dos looks para o show e também para o clipe que fez em parceria com Ricky Martin

No clipe recebemos várias opções de figurinos maravilhosos, mas me apaixonei pelo maiô do estilista Fernando Cozendey, que era uma arara. Eu estava me sentindo uma deusa com aquele body. E foi maravilhoso usar a roupa dele porque depois fui pesquisar e vi que ele tem um trabalho maravilhoso com desenhos de outros animais. E aí uma outra vez eu acabei usando uma de jacaré também, para fazer um show. E queria ficar com todas essas roupas pra mim!

(Ainda não viu o clipe? Clica aqui)

Rafael complementa com uma análise social sobre o movimento, que tem em sua principal característica a liberdade de expressão e o respeito

A molecada do movimento é muito desprendida de qualquer tipo de preconceito. Nós sabemos que existe, mas não nos apegamos a isso. Ainda tem muita coisa underground no funk, tem aqueles com letra mais sexualizada que ocupa as rádios e a televisão, mas eles ocupam um outro espaço. Nós do Passinho temos um outro comportamento. Você vê os moleques se relacionando, dando beijo, abraço e não são gays ou gois ou qualquer tipo de classificação e isso reflete na liberdade de se vestir, quando querem usar por exemplo uma legging com tênis amarelo e um óculos sem grau, o cabelo verde ou batom roxo, como ela usou no clipe… Essa liberdade é parte do DNA do Passinho.

Os lindos e estilosos Lelezinha Ferreira e Rafael Mike, do Dream Team do Passinho | Foto: Fabiano Albergaia

Os lindos e estilosos Lellêzinha e Rafael Mike, do Dream Team do Passinho | Foto: Fabiano Albergaia

Mas e o macacão indefectível de Lellêzinha?

Uma coisa muito importante! Fizemos uma parceria com a Blue Man. Tudo o que vocês estão vendo são da marca, todo mundo “bluemenzado”!

Lindos e perfeitos! Quer vê-los de perto? Hoje tem mais lá no Espaço CUFA! Todas as informações estão na nossa agenda cultural de hoje!

ZN Entrevista – Baile do Passinho Parte 2 – Ludmilla

Foto: Fabiano Albergaria

Nesta segunda edição do ZN Entrevista especial Baile do Passinho, trazemos o papo rápido que tivemos com uma das atrações convidadas da noite pouco antes de subir no palco do Espaço CUFA, a cantora Ludmilla.

Foto: Fabiano Albergaria

Foto: Fabiano Albergaria

Ex-MC Beyoncé, ela agora investe em seu próprio nome, assinou contrato com uma gravadora e está de look, cabelo e cd novo: linda!

Ludmilla veio de Caxias e desde sempre tem o funk em sua vida. Cantar é sua paixão e o funk é o estilo que ela escolheu pra ser feliz

O funk e o canto são tudo na minha vida. Se eu não cantasse ou não fosse funk, eu seria infeliz. O funk é meu alicerce, é de onde eu me sustento, de onde tiro minha felicidade e de onde realizo meus sonhos e trago felicidade pro meu público e pros que gostam do meu trabalho.

Foto: Fabiano Albergaria

O estilo de Ludmilla | Foto: Fabiano Albergaria

A cantora agitou o Espaço CUFA no retorno do Baile do Passinho | Foto: Fabiano Albergaria

A cantora agitou o Espaço CUFA no retorno do Baile do Passinho | Foto: Fabiano Albergaria

Sobre o ressurgimento da Zona Norte e a Baixada, de onde veio, na cena cultural, a cantora se orgulha desse novo momento e aplaude iniciativas que apoiem as regiões

A Zona Norte e a Baixada tem muita coisa legal que muita gente desacredita. Tem muita coisa boa, mas quem não conhece, fica com um pé atrás, achando que só tem favela, bandido… que não tem nada de interessante. Mas tem né?! Tem eu, que saí de lá!

E tem a gente também, Ludmilla! Tamujunto!

ZN Entrevista – Baile do Passinho Parte 1 – Dançarinos MC Ludmilla

Os estilos de Cesar Augusto e Raphael Melo | Foto: Fabiano Albergaria

O ZN Entrevista do Baile do Passinho vai ser dividido em duas partes, porque era muita gente linda e interessante pra gente falar de uma vez só. Então queremos dar um carinho especial a esses artistas maravilhosos que fizeram uma noite histórica no Espaço CUFA, resgatando o melhor da cultura do funk carioca.

Enquanto aguardávamos ansiosos pela chegada da Ludmilla, uma das atrações da noite, conversamos com os dançarinos dela, que mais tarde fariam parte do show da cantora. São 4 artistas com muito estilo e experiência, com passagens por diversos shows.

Foto: Fabiano Albergaria

Foto: Fabiano Albergaria

Bruna Gonçalves, Raphael Melo, Cesar Augusto e Cristal Felix estão com Ludmilla há pouco tempo, mas arrasam no palco com as coreografias que misturam o street dance com muita sensualidade, presente nas letras da MC.

Bruna é de Nilópolis e Cristal da Vila da Penha, mas as duas já se aventuraram morando e trabalhando em um circo, durante temporada nos EUA. Já Raphael é de Rocha Miranda e Cesar de Campo Grande. Todos têm a cultura da ZN fortemente presente em sua formação e acreditam que a região ainda tem muitos talentos perdidos!

Foto: Fabiano Albergaria

O dançarino Cesar Augusto| Foto: Fabiano Albergaria

Foto: Fabiano Albergaria

Raphael Melo apoia a iniciativa do blog de mostrar outra visão da cidade | Foto: Fabiano Albergaria

Mas que bom que pelo menos esses talentos estão aí bem à mostra e pra quem quiser conferir a performance ao vivo, é só ficar ligado na agenda de shows da Ludmilla!

Os estilos de Cesar Augusto e Raphael Melo | Foto: Fabiano Albergaria

Os estilos de Cesar Augusto e Raphael Melo | Foto: Fabiano Albergaria

ZN Entrevista – MV Bill

Rio Música Contemporânea - Imperator - MV Bill - Zona Norte Etc

Foi com uma satisfação imensa que fomos conferir mais uma edição do Rio Música Contemporânea no Imperator – Centro Cultural João Nogueira e batemos um papo com uma das principais vozes da periferia carioca: MV Bill! Representante da Cidade de Deus, mais conhecida como CDD, ele tem uma trajetória fértil no terreno musical e social. MV não apenas fala, ele faz e vem na batalha de valorizar a periferia desde sempre. Por isso adorou a ideia do Zona Norte Etc

Rio Música Contemporânea - Imperator - MV Bill -  Zona Norte Etc

Foto: Fabiano Albergaria

Acho que é muito bom que exista o Zona Norte Etc porque vendo o Rio de Janeiro retratado pelas matérias de jornais parece que só existe uma parte da cidade.  A coisa só é mais espalhada quando tem algum tipo de violência. Áreas como a Zona Norte, a Zona Oeste, onde moro, não podem ser lembradas só na hora da violência, na hora das mazelas.

Homem multimídia, MV Bill já fez cinema, TV aberta e fechada, possui um programa chamado A Voz das Periferias na Rádio Roquette Pinto (94,1 FM), escreveu livro, criou projetos sociais bem sucedidos como a CUFA (Central Única das Favelas) e ainda por cima tem tempo e talento para representar o Rap nacional em grande estilo. Ele sabe o que diz e solta o verbo quando o assunto é a imagem da periferia no audiovisual

Na maioria das vezes a periferia não consegue fazer um autorretrato. Ela é sempre retratada e talvez por conta dos estereótipos o retrato dela nunca é fiel e, por isso, não é satisfatório…. Na CUFA uma das coisa que mais fazíamos era fortalecer o protagonismo para que as pessoas pudessem se pintar da maneira que quisessem

Enxergando uma luz no fim do túnel… Sim! Pode haver vida inteligente na televisão e MV Bill é prova disso. Ele vai começar em breve um programa exclusivamente de clipes de Rap com o intuito de diminuir o gargalo entre as produções e o espaço para elas na mídia musical

O Rap um dos ritmos que mais produz videoclipe no Brasil e ao mesmo tempo é o que menos tem espaço nas TVs de música. Fui convidado pelo canal Music Box Brasil para estar à frente de um programa como esse… Só apresentando clipe de Rap nacional. Temos uma grande produção e muita estoria para contar… Então vai ser do C#@$%#@!

A última pedrada musical de MV Bill se chama “Vitória Pra Quem Acordou Agora e Vida Longa Pra Quem Nunca Dormiu”. Nesse sentido, concluímos: Vida longa para a ZN!

Rio Música Contemporânea - Imperator - MV Bill - Zona Norte Etc

Foto: Fabiano ALbergaria

A Zona Norte nunca dormiu, cara! Já assisti à shows memoráveis no Imperator e fiquei muito triste quando deixou de ser uma casa de shows para se tornar algo que que eu nem me lembro. Vi Ice T com Body Count… Então sempre aconteceu e nunca dormiu! Prova viva disso é um festival que já fiz na Lapa duas vezes e agora estou querendo fazer aqui no Imperator!

Pois é galera… desse cara podemos esperar sempre coisa boa, assim como do Rio Música Contemporânea que continua levando grandes nomes da música para o palco do Imperator como Mart´nália e MV Bill, além das novas promessas musicais do cenário carioca. Veja na galeria fotos dos shows que rolaram na última edição  do evento, que além de MV Bill teve Qinho, Maíra Freitas, Posada e o Clã e Miguel Jorge 😉

[gallery_bank type=”individual” format=”thumbnail” title=”true” desc=”false” responsive=”true” animation_effect=”” album_title=”true” album_id=”2″]

ZN Entrevista – Canto Cego e Medulla no Imperator Novo Rock

Foto: Thayane Dantas
Foto: Thayane Dantas

Foto: Thayane Dantas

Na última quinta-feira, dia 28/08, rolou a segunda edição do Imperator Novo Rock. Desta vez, o som ficou a cargo das bandas Canto Cego e Medulla, que levaram muito rock’n’roll para o para o palco do Imperator – Centro Cultural João Nogueira.  Conversamos com as bandas sobre a experiência de participar do projeto que promete trazer uma vez por mês as novidades da cena musical atual para a Zona Norte e você confere abaixo o depoimento das bandas.

Foto: Thayane Dantas

Roberta Dittz e Rodrigo Medeiros da banda Canto Cego | Foto: Thayane Dantas

A Canto Cego começou dentro da Maré, fazendo ensaios na casa do antigo guitarrista. O lugar inspirou o nome da banda e as composições, e até hoje segue influenciando a essência urbana e poética da banda, que traz em sua temática o conflito social, tanto que uma das músicas que fez parte do setlist foi “Zé do Caroço”, de Leci Brandão.

Zé do Caroço fala de todos os conflitos que já falamos em outras letras, mas de uma forma muito concreta, direta e poética, que atinge todo mundo e atinge também um público que normalmente não atingiríamos.

Sobre o Imperator Novo Rock, a vocalista Roberta ressaltou o carinho do público e estrutura do evento

Foi uma energia linda ver que o público veio mesmo para assistir duas bandas que ainda não são mainstream e aí foi só prazer. Estrutura linda, palco lindo, tudo perfeito, só amor mesmo!

Os gêmeos Keops e Raoni da banda Medulla | Foto: Thayane Dantas

Os gêmeos Keops e Raony da banda Medulla | Foto: Thayane Dantas

 A banda Medulla começou na Tijuca com um projeto de fazer shows com pouca frequência, mas com setlists bem pensados e campanhas específicas, movimentando os fãs para assistirem suas apresentações. E foi na Tijuca que os irmãos Keops e Raony que tiveram seu primeiro encontro real com o underground

Fizemos um show num boteco na rua Radmaker, junto com uma banda chamada Fuzileiros Nasais e foi muito importante pra gente. Outro show muito importante pra gente foi no Garage com o Devotos do Ódio, pra umas 10 pessoas e foi histórico. Depois disso fizemos uma turnê com eles.

Sobre o Imperator Novo Rock, eles acham que eventos como esses só reforçam a cultura rock da região

Na Zona Norte, Zona Oeste… é onde está concentrada a galera que curte mesmo o rock, que são interessados na cultura. E existe uma mania de se dizer que o rock não é popular, mas se você faz o show a galera vai. Não podemos nos iludir: o rock é imortal, o que falta é iniciativa e ousadia de fazer e esse evento é a afirmação de que esse é um momento legal de legitimar o rock.

Vida longa ao Rock!