Rio Música Contemporânea: Até 2015!

Wladmyr Gasper_Rio Música Contemporânea_Zona Norte Etc_ZN Entrevista

Começando a segunda-feira em clima de nostalgia com  as fotos da última edição do ano do Rio Música Contemporânea, que rolou no dia 13/11 no Imperator. E pra quem gostou do projeto, que levou muita música boa para a Zona Norte e apresentou novos artistas da cena carioca, a boa notícia é que em 2015 tem muito mais!

Abaixo você confere um resumo da noite e o papo que tivemos com o rapper De Leve e Qinho, um dos idealizadores do projeto.

Wladmyr Gasper_Rio Música Contemporânea_Zona Norte Etc_ZN Entrevista

Wladimir Gasper abriu a noite com seus pedais e intervenções eletrônicas | Foto: Fabiano Albergaria

MC De Leve_Wladmyr Gasper_Rio Música Contemporânea_Zona Norte Etc_ZN Entrevista

Em seguida, a parceria com De Leve | Foto: Fabiano Albergaria

Qinho_Mahmundi_Rio Música Contemporânea_Zona Norte Etc

Qinho e Mahmundi também se apresentaram juntos | Foto: Fabiano Albergaria

Hyldon_Rio Música Contemporânea_Zona Norte Etc

Hyldon foi o convidado da noite, relembrando clássicos como “Na Rua, Na Chuva, Na Fazenda” | Foto: Fabiano Albergaria

Mahmundi_Rio Música Contemporânea_Zona Norte Etc

A cantora Marcela Vale, a Mahmundi, encantou a todos com sua voz e garantiu a presença feminina da noite | Foto: Fabiano Albergaria

Rio Música Contemporânea_Zona Norte Etc

Noite linda pra fechar a última edição de 2014 do projeto | Foto: Fabiano Albergaria

Pós-show e o encontramos o rapper De Leve em total êxtase no camarim, logo após sua participação no show de encerramento do projeto. Ele, que agora é morador do bairro do Rocha, adorou a experiência deste novo formato de show, em que os artistas se revezam em maravilhosas jams e os estilos musicais são entrelaçados, o que resulta em versões incríveis e inéditas.

É um prazer imenso fazer parte disso depois de tanto tempo trabalhando com música, o pessoal reconhecendo essa estrada. e a minha proposta sempre foi inovadora, então precisou de um tempo pra digerirem a informação e é meio o que aconteceu com a minha música. E o Imperator faz parte da minha vida, vi a obra, a reabertura, venho aqui com o meu filho para ele brincar no terraço. Nunca tinha tocado aqui, mas já tinha visto o espaço, e isso aqui é uma joia e era uma lástima ter um espaço desse parado.

MC De Leve_Rio Música Contemporânea_Zona Norte Etc_ZN Entrevista

Foto: Fabiano Albergaria

Sobre a mudança de Niterói para a Zona Norte, o rapper tem gostado muito da nova fase:

Não tem muita diferença porque os dois lugares são meio que centrais. A geografia e o comportamento são iguais. Quem é de Niterói conhece o centro do Rio na palma da mão, eu ficava perto do Rio Antigo e agora estou por aqui, próximo à Mangueira, no Grande Méier.

E pra quem estava com saudade da rima de De Leve, tem trabalho novo na área e o nome é Estalactite

O disco fala sobre um pouco da minha vida de ponta-cabeça. Fiquei um tempo parado e veio o nascimento do meu filho, essa luta diária do autismo, da relação com o autismo e a educação. E eu estou voltando aí com esse EP, com muito gás! Se você canta no microfone você quer ser ouvido, a arte é pra você se expressar.

MC De Leve_2__Rio Música Contemporânea_Zona Norte Etc_ZN Entrevista

De Leve e sua rima no palco do Imperator | Foto: Fabiano Albergaria

E com todo esse sucesso, fica a análise de Qinho sobre essa primeira fase do projeto:

Foi só alegria, festa de final de ano da firma, última do ano e em janeiro estaremos de volta com uma programação especial. Essa última noite foi brilhante! As coisas aconteceram de um jeito muito tranquilo, como era a última nós relaxamos mais, o show foi um pouco mais longe, o público interagiu. Foi uma loucura! A graça é essa, surpreender, continuar com essa mistura, quebrar essas barreiras e conseguir criar essa improvisação. Vamos continuar assim!

Qinho_2Rio Música Contemporânea_Zona Norte Etc

Qinho faz um balanço positivo do projeto e promete novidades pra 2015! |Foto: Fabiano Albergaria

ZN Entrevista – Letícia Novaes

Foto: Fabiano Albergaria

Na última quinta rolou mais uma edição do Rio Música Contemporânea no Imperator. As atrações da noite foram as bandas Letuce, Mohandas, o multiinstrumental Kinkid e BNegão. Fazendo a costura de todos os ritmos, Qinho, que é um dos responsáveis por estes encontros e a maneira “horizontal” como eles acontecem, se entrecortando e acontecendo naturalmente, em jams inesquecíveis.

Foto: Fabiano Albergaria

Foto: Fabiano Albergaria

Nos bastidores, tivemos o prazer de conversar com Leticia Novaes, vocalista do Letuce e tijucana de raiz que conversou com a gente sobre o bairro em que cresceu e sua forma de lidar com o preconceito por ser ZN

Apesar de ser tijucana, a vida cultural nunca foi lá. Minha mãe ainda mora perto do lugar onde Aldir Blanc fez algumas músicas, mas era outro tipo de música. Eu vinha ao Imperator, já vi até Beastie Boys aqui, mas querendo ou não, a parte cultural vinha mais da Zona Sul. Então as pessoas perguntavam de onde eu era e quando falava ‘Tijuca’, me olhavam como se eu fosse um monstro. E eu pensava: Gente! Mas eu moro numa casa com árvore e piscina! Eu lidei com isso como um filtro, uma pessoa que pensava ‘ah! ela mora na Tijuca’, ela não ia fazer parte da minha galera. Porque amizade você pode morar em qualquer lugar. O mundo não é tão longe assim como as pessoas pensam!

E finalmente o resgate cultural da Zona Norte tem encantado a cantora, que ressalta além do Imperator, outras iniciativas na região

Abriu lá na Tijuca também o Centro de Referência da Música Carioca e o Letuce até tocou lá. Foi maravilhoso tocar lá, porque era aquela casa abandonada da minha infância, a casa da Tijuca que dava medo! Quando eu entrei na casa que eu tinha tanto medo pra cantar eu pensei: Nossa, viva a vida! E no Imperator também foi maravilhoso. Muito bom ver na plateia alguns amigos meus que nunca vieram. Fiquei feliz! Isso aí, saiam de casa, motivem-se!

Foto: Fabiano Albergaria

Foto: Fabiano Albergaria

E para quem quer novidades do Letuce, Leticia promete que o terceiro disco já está em processo de produção. Depois de um tempo de dedicação a projetos próprios, ela e Lucas já estão com todas as músicas prontas e a produção será de João Brasil. É só aguardar porque com certeza vem coisa muito boa por aí!

ZN Colaborativa – Beach Combers

Foto: Claudney Neves

Os Beach Combers pelo menos uma vez por mês ocupam a calçada em frente ao Imperator. A ação faz parte da divulgação do Imperator Novo Rock, evento que acontece sempre na última quinta-feira do mês no teatro da casa e recebe novos nomes da cena rock do Rio de Janeiro.

Em uma dessas apresentações, o Claudney Neves fez esse clique lindo e mandou pra nossa seção.

Lembrando que nesta quinta rola mais uma edição do Imperator Novo Rock, com as bandas Kita e Hover: Imperdível!

Foto: Claudney Neves

Foto: Claudney Neves

Agradecemos ao Claudney pela participação! E se você também quiser mandar seu conteúdo para o Zona Norte Etc, clique aqui e saiba como colaborar.

Dica ZN – Imperator Novo Rock – 3ª edição

As bandas Folks e Zero9 se apresentam na 3ª edição do Imperator Novo Rock

Mais uma vez o rock invade o Centro Cultural João Nogueira na terceira edição do projeto Imperator Novo Rock. Desta vez, o palco fica sob o comando das bandas Folks e Zero9.

As duas edições anteriores foram sucesso de público e agitaram o Méier, então vale a pena conferir o show de hoje, que promete novamente estourar os amplificadores da casa com muitas guitarras em uma verdadeira celebração do rock’n’roll.

O evento conta ainda com as projeções do VJ Luciano Cian e o DJ Mario Mamede nas pick ups!

As bandas Folks e Zero9 se apresentam na 3ª edição do Imperator Novo Rock

As bandas Folks e Zero9 se apresentam na 3ª edição do Imperator Novo Rock

Serviço: Imperator Novo Rock – Rua Dias da Cruz, 170 – Méier

20h

Ingresso: Pista R$4 (meia R$ 2)

Classificação: 16 anos

Mais ou Menos Isso – Abecedário da Zona Norte – Parte 1

Foto: Reprodução Instagram @jebsmore
Foto: Reprodução Instagram @jebsmore

Foto: Reprodução Instagram @jebsmore

A de Andaraí. Mas pode chamar de Tijuca que a gente deixa.

B de Buxixo. Lugar que fica cheio sábado. E domingo, segunda, terça…

C de Cachambeer. Um lugar de comer ótimo para beber. Ou um lugar de beber ótimo para comer.

D só pode ser de Del Castilho. O bairro daquele famoso shopping onde as lojas no Natal parecem a Bolsa de Valores.

E de Engenhão. Ou poderia ser E de elefante, mais precisamente, elefante branco.

F de Flor. Flor de Maio. Aquele motel que você só conhece porque “passou na frente”.

G de Gringo. Espécie de ser humano mais comum nas regiões do Maracanã e da Mangueira.

H de humildade. Porque todo suburbano que se preze já foi pelo menos uma vez na vida a algum evento largadão, só de chinelo, só na humilde. Vai dizer que não?

I de Imperator. Aquele lugar que você vai antes de comer de madrugada no Habib’s.

J de Jacaré. Não o bicho, o bairro mesmo. Terra onde nasceu Romário. Sabe como é, né? Todo suburbano tem orgulho de ser do mesmo bairro onde um famoso nasceu.

K de Kátia Flávia. Uma godiva do Irajá que se escondeu lá em Copa.

L de lotada. Sim, porque aqui entre a gente, quem nunca apelou para aquela Kombi salvadora depois de ficar horas esperando o ônibus no ponto?

M de Maraca. Assim, na intimidade mesmo. O maior do mundo e a segunda casa de todo carioca.

Leo Valpassos e Lucas Ribeiro www.facebook.com/maisoumenosisso

*As opiniões publicadas nesta coluna são de responsabilidade integral dos autores e não representam necessariamente a opinião deste site.