A moda de todas as ruas

potencia popular carioca livro

A moda de todas as ruas

Arrow
Arrow
Gabi Monteiro - Livro Potência Popular Carioca
Shadow
ArrowArrow
Slider

“Potência Popular Carioca”, da jornalista de moda Marcia Disitzer, reúne diferentes perfis de moradores do Rio que, por meio da moda, foram à luta para criar sua própria história. 

O que antes ficava relegado à estética da periferia do Rio de Janeiro, hoje dita tendência do Leblon a Vigário Geral.  A partir do universo da moda e da cultura, “Potência Popular Carioca”, da jornalista Marcia Disitzer, traça um mapa afetivo da força da cultura dita popular, mergulhando também em temas complexos e sensíveis como classes sociais, gênero, raça e relações culturais. O lançamento será realizado no dia 30 de janeiro, às 18h30, no Osbar (Av. Calógeras, 18  - Centro, Rio de Janeiro).

Com direção de arte de Jair de Souza e fotografia de Ana Stewart e Daniela Dacorso, a autora apresenta um mosaico composto por ensaios fotográficos e entrevistas com pessoas comuns, que vivem e trabalham em diferentes pontos da cidade e que estão inseridos em espaços como a feira, o baile, a quadra da escola de samba. Personagens que vivem cotidianamente o desafio de se sobrepor ao preconceito para afirmar seu valor.

Os protagonistas da Potência Popular Carioca revelam neste recorte de histórias o caráter assertivo da moda e também seu papel terapêutico, que liberta e transmite essência. Assim como a música, que vem unindo a cidade com batuques e acordes, o ato de se vestir também é um vigoroso instrumento de afirmação. Em tempos de intolerância e ódio, essa costura é ainda mais urgente e revela com orgulho todas as cores, estampas e ritmos da cidade, que sobrevive junta e misturada por natureza. - Marcia Disitzer.

O livro expõe diversos recortes da cultura carioca. “Bonde do Bem” mostra jovens que encontraram suas formas de expressão na música, na dança, no teatro e na moda irreverente que desfila nas roupas e nos cortes de cabelo. Já em “Fusão Fashion”, a criação de moda nas comunidades ganha destaque: uma produção engajada, diversa e representativa.

Em “Dutão Maior que Tudo”, a fotógrafa Daniela Dacorso mostra o baile charme do Viaduto de Madureira como um retrato autêntico do estilo da periferia. É nesse capítulo que encontramos o texto da nossa editora Carol Rabello que não está se aguentando de emoção de ter participado dessa grande obra.

carol rabello_méier_zona norte etc

                                                   Carol Rabello - Foto: Fabiano Albergaria


"Fiquei muito feliz com o convite, porque foi um espaço incrível para expressar o meu amor pela ZN, em especial Madureira, e propagar ainda mais o trabalho do Zona Norte Etc. Existe uma necessidade latente de visibilidade da moda que é produzida nas periferias e o livro é uma força muito importante no nosso trabalho de documentar o estilo do subúrbio".

O Mercadão ganha um capítulo à parte: “Endereço Maravilha” mergulha na diversidade e religiosidade do subúrbio. Já em “Liberdade na cabeça”, a autora conta histórias de resistência, coragem e orgulho, refletidas em penteados e peças de roupa.

Em “Sem Fronteiras”, ela mostra que as referências locais também são globais. Tendências, consumo, beleza e autoestima são temas que se destacam.  No capítulo “Em Movimento”, é a vez da expressão corporal, do grafite e de projetos de educação e de empreendedorismo. Por fim, “Estação Primeira” traz o samba, símbolo da identidade carioca.

Os personagens do livro Potência Popular Carioca escolheram, antes de tudo, fazer da criatividade o prato de todos os dias. Cada chance de inventar e mostrar sua essência merece ser celebrada, afirma a antropóloga Carol Delgado, autora do texto final da publicação.

O livro apresenta a moda como ferramenta de afirmação social, principalmente entre a juventude, que aprendeu a se orgulhar de seus processos criativos. Uma discussão sobre moda, mas também sobre identidade e resistência. Uma reflexão sobre o Rio e para o Rio.

Nostalgia em bits: Museu do Videogame chega ao Shopping Nova América

MUSEU DO VIDEO GAME_SHOPPING NOVA AMÉRICA_ZONA NORTE ETC

Nostalgia em bits: Museu do Videogame chega ao Shopping Nova América

MUSEU DO VIDEO GAME_SHOPPING NOVA AMÉRICA_ZONA NORTE ETC

300 consoles, 6.000 jogos, campeonatos, cosplay, Just Dance, talk-shows com gamers e geeks e muito mais!

Atari, Nintendinho, Master System, Mega Drive, Nintendo 64, Sega Saturn, Dreamcast, Game Cube, Xbox, Playstation 1. É raro encontrar alguém com menos de 40 anos que já não tenha jogado ou visto alguém jogar alguns dos games mais clássicos que fizeram história no Brasil e no mundo. Jogos como River Raid, Enduro, Pac-Man, Super Mario Bros, The Legend of Zelda, Donkey Kong, Sonic, Alex Kid, Top Gear, Street Fighter, Mortal Kombat, Final Fantasy, Castlevania, entre muitos outros, ficaram marcados na infância e adolescência de milhões de pessoas. E mesmo com a nova geração de videogames, são muitos que ainda cultivam boas lembranças dos aparelhos de 2, 8, 16, 32, 64 ou 128 bits.

E para aqueles que curtem jogos eletrônicos de todas as épocas, a boa notícia é que o Shopping Nova América está trazendo tudo isso e muito mais aqui para o Rio de Janeiro (e melhor ainda, para a nossa Zona Norte!) com o Museu do Videogame Itinerante. Criado há cinco anos pelo jornalista e curador, Cleidson Lima, o museu, que não tem sede fixa, passou este ano a visitar cidades de todos os estados do Brasil. Desde 2011, mais de 450 mil pessoas conheceram o acervo que é exposto apenas durante 15 dias.

Com mais de 300 consoles e ultrapassando os 6 mil jogos, o Museu do Videogame Itinerante desembarca no Shopping Nova América permitindo aos visitantes não só conhecer, mas também jogar games clássicos dos últimos 45 anos no período de 13 a 28 de janeiro. Entre as atrações também há desafios Just Dance, simuladores de corrida, torneios de jogos antigos, desfile de cosplay, espaço PlayStation VR, Nitendo Switch entre outras.

Para aqueles que curtem dançar e suar a camisa, uma outra atração no evento será o palco Just Dance 2018. Nele, o jogador é desafiado a imitar os mesmos movimentos de dançarinos profissionais virtuais e, assim, alcançar a melhor pontuação no ranking do evento. Os mais bem colocados poderão, inclusive, participar do concurso Just Dance 2018, da Ubisoft, e faturar brindes e prêmios. 

Não vai ficar de fora dessa, né? Estamos esperando por você!

Confira as datas dos campeonatos:

23/01 - Campeonato Street Fight

24/01 - Campeonato Mortal Combate

25/01 - River Raid

26/01 - Concurso Cosplay

28/01 - Concurso Just Dance

Além disso, vão rolar lives com grandes nomes do mundo pop, nerd e gamer nos dias 20, 21, 27 e 28/01. Em breve divulgaremos a programação completa das lives.

Marque presença no evento do facebook e nós nos veremos por lá!

Relíquias

Entre as relíquias estão o primeiro console fabricado no mundo, o Magnavox Odyssey, de 1972; o Atari Pong (primeiro console doméstico da Atari), de 1976; Fairchild Channel F, de 1976 (primeiro console a usar cartuchos de jogos); o Telejogo Philco Ford, de 1977 (o primeiro videogame fabricado no Brasil); o Nintendo Virtual Boy, de 1995 (primeiro a rodar jogos 3D); o Vectrex, de 1982 (console com jogos vetoriais que já vinha com monitor); o Microvision (primeiro portátil a usar cartucho), de 1979 e o R.O.B (robozinho lançado juntamente com o Nintendo 8 bits, em 1985).

E as raridades não param por aí. Há itens realmente desconhecidos até mesmo para alguns colecionadores, como o Coleco Telstar Arcade, de 1977. Lançado na era pong, o console era triangular e cada um dos seus lados tinha um controle diferente. Seguindo a mesma linha, o Museu do Videogame Itinerante traz o Coleco Telstar Combat, de 1977, que tinha como foco o público que gostava de tanques de guerra.

Outro videogame do acervo, o Action Max, de 1987, trazia jogos de tiro em fitas de videocassete. Os curiosos também podem curtir o Bandai Pip Pin Atmark, o único videogame criado pela Apple, em 1995. Todos os itens trazem informações com nome, data de lançamento e detalhes técnicos dos videogames. Alguns consoles antigos trazem também vídeos com comerciais de época e detalhes de como funcionavam.

Um dos diferenciais do Museu do Videogame Itinerante é que, além de conhecer consoles e jogos raros, os visitantes também podem jogar em alguns videogames que fizeram história, tais como oTelejogo Philco-Ford (1977), Atari 2600 (1976), Nintendinho 8 bits (1985), Master System (1986), Mega Drive (1988), Super Nintendo (1990), Nintendo 64 (1996), Game Cube (2001), Sega Dreamcast (1998), Xbox (2001), Playstation 1 (1994), entre outros.

Galeria de Fotos Meeting Of Favela 2017

Cobertura Meetting Of Favela 2017_Foto: Clara Sthel_Vila Operária Caxias

Galeria de Fotos Meeting Of Favela 2017

Terminou no dia 10, na Vila Operária, município de Duque de Caxias, Baixada Fluminense, a 12ª edição do Meeting of Favela (MOF), encontro de grafiteiros do Brasil e do exterior. O evento, que reúne em média de 300 a 500 artistas por edição, é considerado o maior encontro do gênero na América Latina. Este ano, participaram grafiteiros da França, Argentina e Japão, além de representantes de todo o Brasil. Segundo a organização, eles já começaram a planejar a edição de 2018. A nossa fotógrafa Clara Sthel cobriu o evento e você pode conferir o set completo na galeria abaixo ;)

Cobertura Meetting Of Favela 2017_Foto: Clara Sthel_Vila Operária Caxias
Cobertura Meetting Of Favela 2017_Foto: Clara Sthel_Vila Operária Caxias
Cobertura Meetting Of Favela 2017_Foto: Clara Sthel_Vila Operária Caxias
Cobertura Meetting Of Favela 2017_Foto: Clara Sthel_Vila Operária Caxias
Cobertura Meetting Of Favela 2017_Foto: Clara Sthel_Vila Operária Caxias
Cobertura Meetting Of Favela 2017_Foto: Clara Sthel_Vila Operária Caxias
Cobertura Meetting Of Favela 2017_Foto: Clara Sthel_Vila Operária Caxias
Cobertura Meetting Of Favela 2017_Foto: Clara Sthel_Vila Operária Caxias
Cobertura Meetting Of Favela 2017_Foto: Clara Sthel_Vila Operária Caxias
Cobertura Meetting Of Favela 2017_Foto: Clara Sthel_Vila Operária Caxias
Cobertura Meetting Of Favela 2017_Foto: Clara Sthel_Vila Operária Caxias
Cobertura Meetting Of Favela 2017_Foto: Clara Sthel_Vila Operária Caxias
Cobertura Meetting Of Favela 2017_Foto: Clara Sthel_Vila Operária Caxias
Cobertura Meetting Of Favela 2017_Foto: Clara Sthel_Vila Operária Caxias
Cobertura Meetting Of Favela 2017_Foto: Clara Sthel_Vila Operária Caxias
Cobertura Meetting Of Favela 2017_Foto: Clara Sthel_Vila Operária Caxias
Cobertura Meetting Of Favela 2017_Foto: Clara Sthel_Vila Operária Caxias
Cobertura Meetting Of Favela 2017_Foto: Clara Sthel_Vila Operária Caxias
Cobertura Meetting Of Favela 2017_Foto: Clara Sthel_Vila Operária Caxias
Cobertura Meetting Of Favela 2017_Foto: Clara Sthel_Vila Operária Caxias
Cobertura Meetting Of Favela 2017_Foto: Clara Sthel_Vila Operária Caxias
Cobertura Meetting Of Favela 2017_Foto: Clara Sthel_Vila Operária Caxias
Cobertura Meetting Of Favela 2017_Foto: Clara Sthel_Vila Operária Caxias
Cobertura Meetting Of Favela 2017_Foto: Clara Sthel_Vila Operária Caxias
Cobertura Meetting Of Favela 2017_Foto: Clara Sthel_Vila Operária Caxias
Cobertura Meetting Of Favela 2017_Foto: Clara Sthel_Vila Operária Caxias
Cobertura Meetting Of Favela 2017_Foto: Clara Sthel_Vila Operária Caxias
Cobertura Meetting Of Favela 2017_Foto: Clara Sthel_Vila Operária Caxias
Arrow
Arrow
PlayPause
Cobertura Meetting Of Favela 2017 - Foto: Clara Sthel
Shadow
ArrowArrow
Slider
 
 

 

Coletivo Viver Bem | Encontro mediado por Janara Lopes

Coletivo Viver Bem

Coletivo Viver Bem | Encontro mediado por Janara Lopes

Coletivo Viver Bem

Para conectar, inspirar e construir coletivamente o Viver Bem!

Opinião se discute e nós queremos saber a sua! Para isso, foi criado o Coletivo Viver Bem, um projeto de criação colaborativa! Reuniram um time de mulheres inspiradoras para trocarem experiências com você! São encontros abertos ao público e gratuitos para discutir o papel da mulher e desvendar mais sobre o que é Viver Bem. A nossa editora Carol Rabello tem o grande prazer de ser uma das convidadas dessa edição. Participe!

/// COLABORADORAS:

. Janara Lopes

É publicitária e fundadora da IdeaFixa, empresa de conteúdo multiplataforma que coloca o criativo no centro e é um dos maiores canais de inspiração e criatividade do Brasil.

. Carol Delgado

É antropóloga e articuladora de tecnologias sociais e diálogos coletivos em busca de um mundo mais plural. Inventa, analisa e conecta ideias no Puxadinho.

. Daniela Arrais & Luiza Voll

Dani é jornalista e autora do blog Don't Touch My Moleskine. Luiza é publicitária e designer de interações. As duas são empreendedoras na Contente, empresa que conecta pessoas em missões de impacto emocional positivo, tanto no universo online quanto offline.

. Débora Albarello

É gerente de conteúdo na Think Olga, ONG que luta pelos direitos das mulheres e que criou campanhas contra a violência de gênero como #ChegadeFiuFiu e #PrimeiroAssédio.

/// CONVIDADAS NESTA EDIÇÃO:

. Carol Rabello

É produtora executiva especializada em marketing de moda, com passagem por várias marcas cariocas, inclusive o Cantão. É criadora e editora do site Zona Norte Etc.

. Clariza Rosa

É comunicóloga e sócia da Jacaré Moda, produtora que está ajudando a reescrever os padrões das passarelas e abrindo caminho pra um novo olhar sobre a moda brasileira.

/// APOIO: Mama Shelter Rio de Janeiro e L'Occitane au Brésil

entrada gratuita; sujeita à lotação.

Sábado (09/12) de 16h às 21h
Mama Shelter | R. Paschoal C. Magno, 5 - Santa Teresa

Mais informações aqui.

Jacaré é +

Debate Periferia é Mais@Zona Norte Etc_Foto Fabiano Albergaria-7

Jacaré é +

Peço licença para escrever um post pessoal, daqueles bem em primeira pessoa, cheio de notas mentais e emoção.

Há 3 anos, quando comecei o Zona Norte Etc, uma das primeiras pessoas que me chamou para conversar sobre parceria foi a Clariza Rosa. Nos encontramos para trocar uma ideia e ela me apresentou esse projeto lindo que acontecia dentro do Jacarezinho: o Jacaré É Moda, uma agência de modelos que não só se preocupava em levantar a auto estima das moradoras, mas também tinha como objetivo quebrar os padrões vigentes da moda. O slogan, frase de efeito, ou como você quiser chamar, era – e ainda é – Moda de Resistência. Aquilo foi como música para os meus ouvidos, afinal, não havia sinergia maior com a proposta que queríamos para esse site.

E assim nos conhecemos, fotografamos o primeiro editorial – nosso e deles – cobrimos o evento e nunca mais deixamos de nos admirar.

No último sábado a Jacaré Moda, já com status de produtora, cresceu para o mundo. Aos olhos cinematográficos da Papel & Caneta, a tela se encheu daquela resistência e transbordou em sentimento. Ver as lágrimas nos olhos do Júlio Cesar, idealizador do projeto que há mais de 10 anos acreditou nesse sonho, aqueceu o coração, deu esperança de dias melhores e, mais uma vez, o aval de que estamos no caminho certo.

Mas a minha experiência foi além. Tive o imenso prazer de ser convidada para uma mesa de debate logo após a exibição do filme, ao lado da empreendedora Maria Chantal e do documentarista Emílio Domingos, que responsa! A conversa foi igualmente intensa, com muita troca e a Clariza – maravilhosa como sempre – conduzindo as pautas. São tantos questionamentos importantes que uma hora foi pouco pra tanta interação.

Isso tudo pra dizer que a Zona Norte pulsa, criativa e esteticamente, como sempre, como nunca. E seguimos!

Abaixo você confere um registro desse bate papo inesquecível. Ficou curioso pra ver o filme sobre a Moda da Resistência? Então clica aqui pra conferir o post que fizemos com a chamada para o evento e dá uma olhada no teaser. Em breve vai rolar exibição no Jacarezinho e contaremos tudo por aqui.

Debate Periferia é Mais@Zona Norte Etc_Foto Fabiano Albergaria-7
Debate Periferia é Mais@Zona Norte Etc_Foto Fabiano Albergaria-7
Debate Periferia é Mais@Zona Norte Etc_Foto Fabiano Albergaria-7
Debate Periferia é Mais@Zona Norte Etc_Foto Fabiano Albergaria-7
Debate Periferia é Mais@Zona Norte Etc_Foto Fabiano Albergaria-7
Debate Periferia é Mais@Zona Norte Etc_Foto Fabiano Albergaria-7
Debate Periferia é Mais@Zona Norte Etc_Foto Fabiano Albergaria-7
Arrow
Arrow
Emílio Domingos, Carol Rabello e Maria Chantal - Foto: Fabiano Albergaria
ArrowArrow
Slider