Soda Noise – Garcia Gang

Soda Noise - Garcia Gang

Aori Anaga, Ainá Garcia, Hodari, Aisha e Yaminah são os nomes que já sacodem a cena urbana nacional e a internet, e que agora se uniram para levar a arte e a ancestralidade africana através de uma salada de ritmos como o afrobeat, rap, r&b, funk e trap n0 projeto “Garcia Gang”.

Para entender a importância dos cinco integrantes deste projeto artístico é preciso conhecer a origem desta família. Todos os artistas do quinteto são netos de um dos casais mais importantes para a cultura afrobrasileira: Lydia Garcia e Willy Mello. Lydia é carioca e foi a primeira professora de música da rede pública do Distrito Federal e Willy Mello, conhecido como OluMello, também, nasceu no Rio de Janeiro mas foi para Brasília em 1958, onde o artista plástico e desenhista de arquitetura, trabalhou com Oscar Niemeyer. Do fruto desta relação nasceram Kenya, Mali, Ialê, Kwame e Luena. Foi a partir daí que a família que já militava pelas causas dos afrobrasileiros iniciou uma dinastia de nomes africanos e as gerações que se sucederam acompanham a tradição. A valorização da cultura e da estética africana sempre fizeram parte da educação desta família, que serve de exemplo e de referência para tantos brasileiros.

O chamado a ancestralidade começou cedo para todos os integrantes deste quinteto musical. A primeira geração de netos dos Garcia começou com o Aori, 39 anos, conhecido também como MC Lapa, que foi um dos precursores da cultura HipHop na cidade do Rio de Janeiro e é tido como uma entidade do Rap nacional por suas músicas no Inumamos e por ter criado a lendária Batalha do Real, evento importante para o rap brasileiro, que abriu portas para diversos nomes como Emicida. Ainá Garcia, 35 anos, viveu a chegada do rap nas ruas cariocas durante a sua adolescência, fez parte do grupo intitulado “Anfetaminas” e recentemente lançou seu single “ BSNC” que mostra que as mulheres negras podem ser o que e quando quiserem. A geração seguinte começou com o músico e multi instrumentista Hodari, 27 anos, que nasceu em Brasília mas que absorveu muito conhecimento musical durante as suas férias no bairro boêmio da Lapa. Aisha, 20 anos e Yaminah, 21 anos, são DJ`s e dançarinas, ambas se destacam por apresentarem sets  repletos de músicas afrofuturistas em suas performances.

Se liga no som dessa família que tá agitando a cena musical do Rio:

O projeto foi lançado com uma super festa na Lapa no início deste mês, mas fique ligado que em breve rolam outras apresentações memoráveis!

Tem um som novo pra mandar pra gente? É só enviar todas as infos pra contato@zonanorteetc.com.br, colocar no título "Soda Noise"e a sua dica musical pode aparecer por aqui!

Casa Brota expandindo horizontes

Casa brota foto bento fabio zona norte etc

Casa Brota expandindo horizontes

Casa brota foto bento fabio zona norte etc

Foto: Bento Fábio

Em maio a Casa Brota está com um grande e feliz desafio: construir a cobertura da laje com bambu! Através de tecnologias baratas, de fácil replicação e aprendizado, com material renovável e de baixo impacto. 

Como vai ser?

A Casa fechou uma parceira com o Tiago De Paula, designer formado pela UFRJ com foco em sustentabilidade. Ele ministra cursos de bambu desde 2003 e tem a marca Taboca Biojóias onde desenvolve jóias a partir de madeira de demolição e móveis descartados. Tiago projetou a cobertura dos nossos sonhos e vai coordenar a obra de construção.

A Casa vai abrir 10 vagas para interessados em aprender as técnicas de bioconstrução e por a mão na massa para levantar a cobertura, aprender na prática e ainda deixar a laje ainda mais bonita. As inscrições para as oficinas práticas de bioconstrução terá o valor de R$ 100,00 com vagas limitadas.

laje casa brota zona norte etc

Além disso
A Casa Brota está com uma vaquinha online com o objetivo de financiar o funcionamento da casa durante um ano, além de fazer a cobertura da laje de bambu. Quem participar da doação com o valor a partir de R$ 100,00 tem direito a participar da oficina de bioconstrução ou indicar alguém.

Junto com a vaquinha eles abriram COTAS DE PARTICIPAÇÃO da casa para coletivos, organizações e sociedade civil.

A Casa é um espaço colaborativo localizada no Complexo do Alemão que trabalha com entretenimento, hospedagem sustentável, comunicação, inovação e empreendedorismo. E entre as várias atividades que acontecem na casa, recebe mensalmente o Slam Laje #10Edição e as oficinas do GatoMÍDIA.

Dá uma olhadinha e participe ❤

IED Parla | A Potência Popular Carioca

ied parla a potencia popular carioca carol rabello zona norte etc

IED Parla | A Potência Popular Carioca

ied parla a potencia popular carioca carol rabello zona norte etc

08 de março é dia de IED Parla na escola! Vamos contar com a professora do Master Profissional em Marketing de Moda Marcia Disitzer, a nossa editora Carol Rabello e o criador da Coolhunter Favela Rafa Joaquim, para falar sobre a força criativa do subúrbio como referência para a moda brasileira.

Carol é editora e criadora do site Zona Norte Etc., que surgiu da necessidade de divulgar o lifestyle próprio da região nas redes, mostrando como a moda é vista pelas mais diversas personalidades que circulam pela zona norte do Rio de Janeiro.

Rafa é diretor criativo do Coolhunter Favela, laboratório de inovação estética a partir de manifestações culturais das periferias do mundo. No coletivo Vento atua como curador de movimentos e tendências da cidade, buscando dar visibilidade à diversidade do cenário urbano. Além disso, é criador da marca Ttrappo, que mistura de forma divertida e descolada upcycling e brechó.

Marcia acaba de lançar o livro ‘Potência Popular Carioca’, que reúne perfis de personagens de diferentes regiões do Rio como a feira, o baile e a escola de samba. Mistura de ensaios fotográficos com entrevistas, o livro apresenta a moda como ferramenta de afirmação social, identidade e resistência.

A palestra contará com mediação de Melina Dalboni, coordenadora do Master Profissional em Marketing de Moda, além de projeções com fotos do livro, realizadas pela fotógrafa Daniela Dacorso.

Sobre os convidados:

*Marcia Disitzer*

Jornalista formada pela UFRJ, Marcia Disitzer trabalhou no Jornal do Brasil e no jornal O DIA. É colunista de moda e beleza do site Heloisa Tolipan e colaboradora da revista Vogue Brasil. Professora do Master Profissional em Marketing de Moda do IED-Rio e do Senac, Marcia é autora, ao lado da jornalista Silvia Vieira, do livro 'A Moda Como Ela É', ghost writer do livro 'Delícia Receber por Lenny Niemeyer', autora do livro 'Um Mergulho no Rio - 100 anos de moda e comportamento na praia carioca', autora, ao lado do jornalista Bruno Chateaubriand, do livro 'Como Usar o WhatsApp a Seu Favor' e autora do livro 'Potência Popular Carioca'.

*Carol Rabello*

Carol Rabello é carioca e jornalista de formação, cantora, locutora, produtora executiva especializada em marketing de moda, com passagem por várias marcas cariocas. Apaixonada por moda e música, atua em diversas áreas, sempre conciliando suas paixões. Ela é criadora e editora do site Zona Norte Etc., que surgiu a partir da necessidade de divulgar o lifestyle próprio da região. A proposta do Zona Norte Etc. é trazer um pedacinho do subúrbio para uma rede que de tão democrática às vezes é excludente e mostrar como a moda é interpretada pelas mais diversas personalidades que circulam pela zona norte do Rio de Janeiro.

*Rafa Joaquim*

Rafa Joaquim é criador e diretor criativo do Coolhunter Favela, laboratório de inovação estética a partir de manifestações culturais nascidas nas periferias do mundo. No coletivo Vento atua como curador de movimentos e tendências da cidade, buscando dar visibilidade à diversidade do cenário urbano. Criador da marca autoral Trappo, que mistura brechó e upcycling.

*Sobre o Master Profissional em Marketing de Moda*

No curso Master Profissional em Marketing de Moda, os alunos aprendem marketing com professores que são referência no mercado da moda. Estudando com professores de marcas como Vogue e Osklen, eles adquirem uma visão atual da área, capacitando-se tanto para empreender a sua própria marca, como para ingressar nos departamentos de comunicação de grandes empresas da moda.

 

Nostalgia em bits: Museu do Videogame chega ao Shopping Nova América

MUSEU DO VIDEO GAME_SHOPPING NOVA AMÉRICA_ZONA NORTE ETC

Nostalgia em bits: Museu do Videogame chega ao Shopping Nova América

MUSEU DO VIDEO GAME_SHOPPING NOVA AMÉRICA_ZONA NORTE ETC

300 consoles, 6.000 jogos, campeonatos, cosplay, Just Dance, talk-shows com gamers e geeks e muito mais!

Atari, Nintendinho, Master System, Mega Drive, Nintendo 64, Sega Saturn, Dreamcast, Game Cube, Xbox, Playstation 1. É raro encontrar alguém com menos de 40 anos que já não tenha jogado ou visto alguém jogar alguns dos games mais clássicos que fizeram história no Brasil e no mundo. Jogos como River Raid, Enduro, Pac-Man, Super Mario Bros, The Legend of Zelda, Donkey Kong, Sonic, Alex Kid, Top Gear, Street Fighter, Mortal Kombat, Final Fantasy, Castlevania, entre muitos outros, ficaram marcados na infância e adolescência de milhões de pessoas. E mesmo com a nova geração de videogames, são muitos que ainda cultivam boas lembranças dos aparelhos de 2, 8, 16, 32, 64 ou 128 bits.

E para aqueles que curtem jogos eletrônicos de todas as épocas, a boa notícia é que o Shopping Nova América está trazendo tudo isso e muito mais aqui para o Rio de Janeiro (e melhor ainda, para a nossa Zona Norte!) com o Museu do Videogame Itinerante. Criado há cinco anos pelo jornalista e curador, Cleidson Lima, o museu, que não tem sede fixa, passou este ano a visitar cidades de todos os estados do Brasil. Desde 2011, mais de 450 mil pessoas conheceram o acervo que é exposto apenas durante 15 dias.

Com mais de 300 consoles e ultrapassando os 6 mil jogos, o Museu do Videogame Itinerante desembarca no Shopping Nova América permitindo aos visitantes não só conhecer, mas também jogar games clássicos dos últimos 45 anos no período de 13 a 28 de janeiro. Entre as atrações também há desafios Just Dance, simuladores de corrida, torneios de jogos antigos, desfile de cosplay, espaço PlayStation VR, Nitendo Switch entre outras.

Para aqueles que curtem dançar e suar a camisa, uma outra atração no evento será o palco Just Dance 2018. Nele, o jogador é desafiado a imitar os mesmos movimentos de dançarinos profissionais virtuais e, assim, alcançar a melhor pontuação no ranking do evento. Os mais bem colocados poderão, inclusive, participar do concurso Just Dance 2018, da Ubisoft, e faturar brindes e prêmios. 

Não vai ficar de fora dessa, né? Estamos esperando por você!

Confira as datas dos campeonatos:

23/01 - Campeonato Street Fight

24/01 - Campeonato Mortal Combate

25/01 - River Raid

26/01 - Concurso Cosplay

28/01 - Concurso Just Dance

Além disso, vão rolar lives com grandes nomes do mundo pop, nerd e gamer nos dias 20, 21, 27 e 28/01. Em breve divulgaremos a programação completa das lives.

Marque presença no evento do facebook e nós nos veremos por lá!

Relíquias

Entre as relíquias estão o primeiro console fabricado no mundo, o Magnavox Odyssey, de 1972; o Atari Pong (primeiro console doméstico da Atari), de 1976; Fairchild Channel F, de 1976 (primeiro console a usar cartuchos de jogos); o Telejogo Philco Ford, de 1977 (o primeiro videogame fabricado no Brasil); o Nintendo Virtual Boy, de 1995 (primeiro a rodar jogos 3D); o Vectrex, de 1982 (console com jogos vetoriais que já vinha com monitor); o Microvision (primeiro portátil a usar cartucho), de 1979 e o R.O.B (robozinho lançado juntamente com o Nintendo 8 bits, em 1985).

E as raridades não param por aí. Há itens realmente desconhecidos até mesmo para alguns colecionadores, como o Coleco Telstar Arcade, de 1977. Lançado na era pong, o console era triangular e cada um dos seus lados tinha um controle diferente. Seguindo a mesma linha, o Museu do Videogame Itinerante traz o Coleco Telstar Combat, de 1977, que tinha como foco o público que gostava de tanques de guerra.

Outro videogame do acervo, o Action Max, de 1987, trazia jogos de tiro em fitas de videocassete. Os curiosos também podem curtir o Bandai Pip Pin Atmark, o único videogame criado pela Apple, em 1995. Todos os itens trazem informações com nome, data de lançamento e detalhes técnicos dos videogames. Alguns consoles antigos trazem também vídeos com comerciais de época e detalhes de como funcionavam.

Um dos diferenciais do Museu do Videogame Itinerante é que, além de conhecer consoles e jogos raros, os visitantes também podem jogar em alguns videogames que fizeram história, tais como oTelejogo Philco-Ford (1977), Atari 2600 (1976), Nintendinho 8 bits (1985), Master System (1986), Mega Drive (1988), Super Nintendo (1990), Nintendo 64 (1996), Game Cube (2001), Sega Dreamcast (1998), Xbox (2001), Playstation 1 (1994), entre outros.

Jacaré é +

Debate Periferia é Mais@Zona Norte Etc_Foto Fabiano Albergaria-7

Jacaré é +

Peço licença para escrever um post pessoal, daqueles bem em primeira pessoa, cheio de notas mentais e emoção.

Há 3 anos, quando comecei o Zona Norte Etc, uma das primeiras pessoas que me chamou para conversar sobre parceria foi a Clariza Rosa. Nos encontramos para trocar uma ideia e ela me apresentou esse projeto lindo que acontecia dentro do Jacarezinho: o Jacaré É Moda, uma agência de modelos que não só se preocupava em levantar a auto estima das moradoras, mas também tinha como objetivo quebrar os padrões vigentes da moda. O slogan, frase de efeito, ou como você quiser chamar, era – e ainda é – Moda de Resistência. Aquilo foi como música para os meus ouvidos, afinal, não havia sinergia maior com a proposta que queríamos para esse site.

E assim nos conhecemos, fotografamos o primeiro editorial – nosso e deles – cobrimos o evento e nunca mais deixamos de nos admirar.

No último sábado a Jacaré Moda, já com status de produtora, cresceu para o mundo. Aos olhos cinematográficos da Papel & Caneta, a tela se encheu daquela resistência e transbordou em sentimento. Ver as lágrimas nos olhos do Júlio Cesar, idealizador do projeto que há mais de 10 anos acreditou nesse sonho, aqueceu o coração, deu esperança de dias melhores e, mais uma vez, o aval de que estamos no caminho certo.

Mas a minha experiência foi além. Tive o imenso prazer de ser convidada para uma mesa de debate logo após a exibição do filme, ao lado da empreendedora Maria Chantal e do documentarista Emílio Domingos, que responsa! A conversa foi igualmente intensa, com muita troca e a Clariza – maravilhosa como sempre – conduzindo as pautas. São tantos questionamentos importantes que uma hora foi pouco pra tanta interação.

Isso tudo pra dizer que a Zona Norte pulsa, criativa e esteticamente, como sempre, como nunca. E seguimos!

Abaixo você confere um registro desse bate papo inesquecível. Ficou curioso pra ver o filme sobre a Moda da Resistência? Então clica aqui pra conferir o post que fizemos com a chamada para o evento e dá uma olhada no teaser. Em breve vai rolar exibição no Jacarezinho e contaremos tudo por aqui.

Debate Periferia é Mais@Zona Norte Etc_Foto Fabiano Albergaria-7
Debate Periferia é Mais@Zona Norte Etc_Foto Fabiano Albergaria-7
Debate Periferia é Mais@Zona Norte Etc_Foto Fabiano Albergaria-7
Debate Periferia é Mais@Zona Norte Etc_Foto Fabiano Albergaria-7
Debate Periferia é Mais@Zona Norte Etc_Foto Fabiano Albergaria-7
Debate Periferia é Mais@Zona Norte Etc_Foto Fabiano Albergaria-7
Debate Periferia é Mais@Zona Norte Etc_Foto Fabiano Albergaria-7
Arrow
Arrow
Emílio Domingos, Carol Rabello e Maria Chantal - Foto: Fabiano Albergaria
ArrowArrow
Slider