Poderosa

Debate Periferia é Mais@Zona Norte Etc_Foto Fabiano Albergaria-maria chantal

Poderosa

Maria Chantal, cheia de atitude, desfilou suas estampas e cores pela Malha no último sábado. Empreendedora, a dona da Loja Maria Chantal participou do debate sobre produção periférica reforçando a necessidade de utilizar a moda para se expressar. E é o que ela faz através das T-shirts e peças de sua marca, que trazem alguns recados contra o racismo, além de muitas peças lindas para reforçar a auto estima. Uma de suas maiores emoções é saber que está ajudando jovens e crianças a superar o preconceito, se tornando um exemplo e um espelho para a nova geração.

Debate Periferia é Mais@Zona Norte Etc_Foto Fabiano Albergaria-maria chantal
Debate Periferia é Mais@Zona Norte Etc_Foto Fabiano Albergaria-maria chantal
Debate Periferia é Mais@Zona Norte Etc_Foto Fabiano Albergaria-maria chantal
Arrow
Arrow
Maria Chantal - Foto: Fabiano Albergaria
ArrowArrow
Slider

Clareou

GabrielaFaria_StreetStyleZonaNorteEtc_FotoFabianoAlbergaria-22

Clareou

Uma ótima opção para enfrentar a temperatura carioca são as cores claras! A Gabriela Faria escolheu um top branco com decote ciganinha (super aposta da temporada) e o short rosa, em tom mais pastel, para garantir o frescor do look. Nos pés, um tênis básico e muito conforto e pra arrematar, a make de gatinho nos olhos. Linda!

Arrow
Arrow
ArrowArrow
Slider

Você Precisa Ver o Documentário “Grana Preta”

gato mídia

Você Precisa Ver o Documentário "Grana Preta"

O documentário fala sobre negócios em favela e empreendedores negros

Nesse sábado, 23 de setembro, ás 19h tem exibição do documentário Grana Preta no Bistrô Estação R&R no Complexo do Alemão. Além da exibição, vai rolar um bate-papo sobre Black Money com Marcela Lisboa, jornalista e cineasta e Marcelo Ramos, criador da cerveja Complexo do Alemão. A mediação fica por conta da maravilhosa Thamyra Thâmara, criadora do GatoMIDIA, espaço de aprendizado em mídia e tecnologia para jovens negros e de espaços populares.  

A ideia de produzir o documentário surgiu depois de uma pesquisa qualitativa desenvolvida, com comerciantes do Complexo do Alemão.  

O que mais nos chamou atenção foi perceber que grande parte dos comerciantes abriram seus negócios motivados pelo desejo de trabalhar perto de casa e pela possibilidade de organizar seu tempo, rotina - destaca Thamyra Thâmara.

O documentário tem o objetivo de debater os métodos e formatos dos negócios desenvolvidos nas favelas e também por empreendedores negros a partir do "se vira", "nós por nós" e o "black money", que são conceitos que perpassam esses empreendimentos.

Segundo o Data Favela, as favelas do Rio de Janeiro movimentam 68,6 bilhões de reais por ano. Quatro em cada dez moradores de favelas têm vontade de empreender.  Entre os moradores que pretendem ter o próprio negócio, a maioria pretende empreender dentro do seu próprio território. Além disso, a maioria desses desses futuros empreendedores das favelas brasileiras pertencem à classe C.

Grande parte desse dinheiro circula na economia local. Economia essa que ora se organiza por resistência (pela ausência do estado em proporcionar acesso a serviços básicos e qualificação profissional) e ora se organiza por insistência em acreditar que é possível viver dos seus próprios sonhos, ser seu próprio chefe e fortalecer a comunidade.

Saber produzir e criar em ambientes adversos é uma habilidade diferenciada que pode ser potencializada e replicada metodologicamente. A Lan House que compartilha espaço com o tio do bar, a barbearia que vende roupa, a tia que vende quentinha por 3 conto, a feira de sábado, os brechós das igrejas , a padaria com pão a 20 centavos, o bistrô de cerveja artesanal,  tudo isso aponta novos rumos para a economia colaborativa e para os negócios em tempo de crise. O que vemos agora é uma grande parcela da população que sempre viveu em "crise", mas que vê na situação atual oportunidade para avançar.

Serviço:

→ Exibição do documentário dia 23/09, sábado, às 19h.

→  Localização Bistrô Estação R&R (Complexo do Alemão)

Exibições:
10.10 - Instituto Black Bom

Projeto Música Encantada Está Com Inscrições Abertas

musica_encantada___aula_de_canto-1

Projeto Música Encantada Está Com Inscrições Abertas

Com sede na Pavuna o Projeto Música Encantada oferece aulas de canto, violão, flauta, inglês e educação complementar

musica_encantada___aula_de_canto-1
Estão abertas as inscrições para o projeto Música Encantada, na Pavuna. Com o objetivo de promover inclusão por meio da música, o programa oferece aulas de violão, canto, musicalização através da flauta doce, educação complementar e inglês. Os interessados devem ter entre 7 e 17 anos e comparecer à sede do projeto acompanhado de responsável legal. Todas as aulas são gratuitas.

O Música Encantada é um projeto cultural gratuito de educação musical, onde crianças e adolescentes de uma das regiões com o menor Índice de Desenvolvimento Humano (IDHh) do Rio têm aulas de música e acompanhamento de psicólogos e assistentes sociais. Atualmente cerca de 120 crianças e jovens são atendidos pela iniciativa.

O programa foi desenvolvido a partir da iniciativa do músico Daniel Sant´Anna, que há 12 anos se propôs a dar aulas de violão a jovens da comunidade Terra Encantada. Os primeiros alunos contavam com apenas dois violões para o aprendizado, mas graças a doações, o programa passou a fornecer instrumentos para cada um dos atendidos. Dentro desta iniciativa, nasceu a Orquestra Violões Encantados, formada por alunos do projeto.

Música Encantada
Rua Orquídea, 01 - Comunidade Phídias Távora - Pavuna
(21) 3454-0251

Complexo do Alemão ganha seu primeiro espaço de coworking

casa-brota_zona-norte-etc

Complexo do Alemão ganha seu primeiro espaço de coworking

casa-brota_zona-norte-etc

Localizada no Complexo do Alemão a Casa Brota abrirá os seus trabalhos no sábado. O local irá funcionar como um espaço de conexão e redes. A inspiração vem toda da favela com a criatividade, rataria, gambiarras, sons, cores, vibrações e energia que lhes são características. Tudo isso junto com novas mídias, tecnologia, inovação social, empreendedorismo e afrofuturismo. A Casa Brota é uma incubadora fértil de novos projetos, tendo a favela como centro da discussão sobre a cidade. Os projetos GatoMídia, Boca de Favela, Berro Inc, AmareVê, Magano e Sonata e Favelê, que fazem parte da Casa, acreditam e constatam que a favela pode nos apontar caminhos para a construção de uma cidade inteligente, sustentável e conectada. 

De acordo com o pensamento da Casa Brota:

Existem muitos projetos criativos produzidos dentro das favelas mas que não estão inseridos e legitimados no circuito de inovação da cidade, uma vez que, muitos desses circuitos não veem as demandas populares como fontes legitimas pra processo de criação. Por outro lado, apesar do número alto de empreendedores em favelas, esses empreendimentos não dialogam/conversam entre si. Um dos objetivos da Casa é fortalecer as redes dentro destes espaços populares e expandir a conexão para além da favela

Será o primeiro espaço de coworking localizado dentro do Complexo do Alemão. No próximo sábado, dia 17 de dezembro, às 16h, todos estão convidados para brotar por lá e participar desse dia histórico com direito a uma visão privilegiada do Morro do Alemão, um papo sobre inovação, tecnologia, rede e criatividade na favela e ainda um baile na laje por que ninguém é de ferro! A Casa, além de ser um espaço de conexão e redes, também realizará consultoria de comunicação para empreendimentos de favela e demais projetos e empresas que tenham como base Inovação + Tecnologia + Entretenimento + Engajamento.

Se liga na programação:

16h: Arte - sujeiraenojo

18h: Papo sobre inovação, tecnologia, rede e criatividade com Vitor Coffe (Kilombu) , Alline Cipriano (IBEJI) ,Marcelo Ramos (Bistro Estação), Adriano Cipriano (Estúdio Roncó), Sil Bahia (Olabi) e Carol Delgado (Puxadinho).

20h: Festinha

Bora Brotar!

COMO CHEGAR:
Referência último ponto das Kombis da Central
Tem como subir de Kombi e Mototaxi (3 conto) ou andando.

#casabrota