“Deixa na Régua” – Entrevista com o diretor Emílio Domingos

emilio domingos deixa na régua zona norte etc

"Deixa na Régua" - Entrevista com o diretor Emílio Domingos

emilio domingos deixa na régua zona norte etc

Nessa quinta-feira, dia 10 de Agosto, estreia o documentário “Deixa na Régua” de Emílio Domingos no INSTITUTO MOREIRA SALLES com sessões às 16h e 20h e no CINE SANTA com sessão às 17h10m. O filme foi premiado no Festival do Rio na Mostra Novos Rumos, já foi exibido Salvador, Paris, Suíça e em setembro ele será exibido nos EUA na Brown University. No longa, acompanhamos as resenhas entre os clientes das barbearias de Belo (na Vila da Penha), Ed (no Morro da Caixa d’Água, entre Quintino e Piedade) e Deivão (em Piabetá, Magé). “Deixa na régua” é a segunda parte da “Trilogia do corpo”, que Domingos irá completar com o próximo filme que será “Favela é moda”, sobre as agências de modelo nos morros cariocas. Ele conta tudo isso e muito mais nessa entrevista maravilhosa.

Sessões do filme no Festival du Cinéma Brésilien de Paris

 

Como surgiu a ideia de rodar o “Deixa na Régua”?

É um filme sobre sociabilidade nos salões de barbeiro. Quando estava gravando o filme anterior, “A Batalha do Passinho” eu percebi que tinha uma estética nova na cabeça dos jovens da periferia. Eles falavam da importância desses espaços e muitos desses meninos iam pro salão na sexta-feira e isso era uma passagem obrigatória na semana deles. É importante pra eles se cuidarem e terem esse cuidado estético. Então resolvi ir ao salão por curiosidade. Às vezes ficavam cerca de 20 garotos aguardando pra cortar o cabelo e explorei isso: A sociabilidade do salão. Esse espaço de troca de ideias.

 

É um filme sobre amizade, sobre sociabilidade mas que acaba sendo também sobre a nova juventude da periferia do R.J.?

É uma juventude que é muito criativa e muito inspiradora ao contrário do que as pessoas que tem uma visão pessimista da sociedade acham. Através desse filme eu consegui ver que tem uma preocupação grande com a sociedade por parte desses jovens. As conversas que acontecem nos salões refletem as questões que estão ligadas à essa juventude e de certa maneira ao futuro da cidade.

 

O clima nas barbearias seria o oposto do que vemos nas redes sociais?

A barbearia é um espaço extremamente democrático onde se respeitam as opiniões alheias. Existe quase que um clima familiar pelo fato de as pessoas se encontrarem semanalmente, mesmo pessoas de lugares diferentes frequentam a mesma barbearia... Isso faz com que o espaço se torne um espaço de conversa aberta e as pessoas tentam atualizar os assuntos que acontecem durante a semana e que sensibilizam... Vira um espaço no qual o barbeiro passa a ser um mediador... É impressionante como eles possuem essa capacidade de mediar esses debates espontâneos que acontecem. Por incrível que pareça, por trás de todo esse mundo da vaidade e da estética existe uma relação de amizade entre barbeiros e os clientes e de extremo diálogo entre todos que frequentam o salão. É um espaço bastante cordial e jovem.

 

Você já sofreu algum tipo de preconceito ou resistência por conta da temática que você aborda nos filmes e que retratam sempre essa realidade suburbana?

Infelizmente sim. Algumas pessoas tem um certo receio e preconceito do que vão ver e não estão abertas a conhecer outras realidades. O que é um problema do Brasil atual. As pessoas estão muito intransigentes e o preconceito não ajuda em nada.

 

emilio domingos - leo martins

Foto: Leo Martins


Só através do conhecimento mútuo e da troca de ideias vamos construir uma sociedade melhor

 

 

O documentário  “Deixa na Régua” é o segundo filme da “Triologia do Corpo”. Qual o próximo filme que irá fechar essa série?

Será “Favela é Moda”. É mais sobre o universo feminino e as questões que abrangem o mundo da moda e sua padronização. Pois há um questionamento por parte de jovens que se interessam em ser modelos e são negras e negros e que não estão dentro do padrão que a moda tenta imprimir. Então é um questionamento em relação à isso.

 

Deixa na régua zona norte etc

 

No detalhe

No detalhe

Tudo no look da Rayra Medeiros é nos mínimos detalhes. Desde a estampa de bicicletinha na t-shirt às tatuagens super delicadas, ela aposta nos pequenos toques pra fazer a diferença na produção básica. Linda!

Arrow
Arrow
Foto: Fabiano Albergaria
Slider

Aposta no Básico

Jessica de Oliveira_2017_06_29@Méier Street Style_Zona Norte Etc_Foto Fabiano Albergaria-fb

Aposta no Básico

A Jéssica de Oliveira apostou no básico e deixou as cores pro calçado que complementou a produção. Com tendência étnica, o mocassim bordado tem forte influência das artes andinas e fez toda a diferença no look. Linda!

 

Arrow
Arrow
Jéssica de Oliveira - Foto: Fabiano Albergaria
ArrowArrow
Slider

Rock de Leve

Jessica de Oliveira_2017_06_29@Méier Street Style_Zona Norte Etc_Foto Fabiano Albergaria-6_FB

Rock de Leve

A Roberta Dias aproveitou o inverno carioca pra dar um toque rock'n'roll na produção. O jeans e a camiseta básicos ganharam a companhia de uma bota baixa, com pegada mais pesada e o colar tipo choker arrematou o estilo. 
Arrow
Arrow
Roberta Dias - Foto: Fabiano Albergaria
Shadow
ArrowArrow
Slider
 
 

Mix de estilos

Mix de estilos

A Rhayssa Dandara misturou influências pra compor seu look e deu super certo. Ela optou por um look que, mesmo básico, vem carregado de informação de moda, com a calça rasgada que remete ao movimento grunge e o casaco floral, que é um curinga na produção. Linda!

Arrow
Arrow
Slider