Editorial Musa da Praia
Arrow
Arrow
De Bowie: Confira o editorial exclusivo criado em homenagem à mostra "O Homem que Caiu na Terra"
Slider

Esporte e conforto

Esporte e conforto

O Jorge Henrique apostou na tendência esportiva pra se jogar em um look confortável e quentinho. Moletom não tem erro e garante o corpo quentinho o dia todo ♥!

Carioca não sabe sentir frio, mas ele mandou bem na escolha pra enfrentar o inverno desse ano que resolveu finalmente aparecer.

Arrow
Arrow
ArrowArrow
Slider

Além do uniforme

Além do uniforme

A Lorena Souza até pode usar uniforme no dia a dia, mas mesmo com o look padronizado ela conseguiu dar o jeito dela e mostrar seu estilo autêntico. Além dos cabelos coloridos, os calçados fazem a diferença e, pra fechar, a clássica flanela protegendo do inverno carioca. 

Linda!

Arrow
Arrow
Foto: Fabiano Albergaria
ArrowArrow
Slider

Hogwarts é aqui

Hogwarts é aqui

A tatuadora Fernanda Farias trouxe um pouquinho de Hogwarts pro Cachambi escolhendo a t-shirt da escola de bruxos mais famosa da literatura pra compor sua produção

Pra arrematar o look, calça rasgada, oxford com detalhe de furinhos, cabelos coloridos e o recado na pele: Não é possível!

Arrow
Arrow
Foto: Fabiano Albergaria
ArrowArrow
Slider

Jeza da Pedra: “um périplo polifônico pelo desbunde passiva-não-pacífica da marginália carioca”

Jeza da Pedra_por_João _Pacca

Jeza da Pedra: “um périplo polifônico pelo desbunde passiva-não-pacífica da marginália carioca”

Jeza da Pedra_por_João _Pacca

Foto: João Pacca

No último verão, o músico Jeza da Pedra começou a chamar a atenção nas cenas de rap e funk carioca. Compositor dos hits Terrorista Viado e Celular (versão tecno-forró de Hotline Bling, de Drake), Jeza conquistou as festas LGBT e logo entraria no set das rádios comunitárias do Rio. Crescido no Morro da Pedreira, ele é o primeiro rapper abertamente gay surgido na cena do hip hop carioca. Neste mês, Jeza lança o seu primeiro EP, “Pagofunk Iluminati”, com show de lançamento no dia 01 de julho, no Espaço Éden, que fica na RuaSacadura Cabral, 109, no centro do RJ. (Mais informações aqui.)

Convidado por Rico Dalasam a fazer uma participação em seu último show no Circo Voador, ele também já dividiu o palco com artistas como Linn da Quebrada e Larissa Luz. Produzido por Jeza e Juan Peçanha, “Pagofunk Iluminati” é um retalho de ritmos periféricos com requintes de gambiarras sonoras.

No disco, Jeza se move pelas vielas do rap, samba, funk carioca e música eletrônica. Entremeado por citações de Silas Malafaia e Jorge Lafond declamando Fernando Pessoa, o álbum foi gestado nas horas vagas do semestre em que ele trabalhou como anfitrião de karaokê em Campos dos Goytacazes, norte fluminense.

Algumas faixas estavam pré-produzidas com outros parceiros, mas chegando em Campos conheci o produtor Juan Peçanha, que investiu na ideia do disco e deu um toque mais pop, mais sci-fi, nas perturbações que eu fazia com as músicas

Na definição do cantor, “Pagofunk Iluminati” é “um périplo polifônico pelo desbunde passiva-não-pacífica da marginália carioca”. Em suas letras, Jeza versa sobre suas andanças pela noite do Rio, narrando a si como um dândi periférico, espécie de mash-up de Oscar Wilde com Racionais MCs. Frequentador de rodas de rima e bailes da Baixada, Jeza se vale de sua poética bem-humorada para criticar a gentrificação na capital carioca: "Shitaki emancipado/ mais mídia que a Ivete/ com noiz tu não se mete/ tu gourmetiza o meu croquete/ sai que tu é mó bad/ mais Jiban q a UPP”, ele ironiza, no rap-funk Sai que tu é mó bad.

Na faixa "Cuida Noiz", após a introdução da ativista transexual Indianara Sophia, ele sampleia trechos bíblicos para denunciar: “Fariseus, falsos profetas e lobos vendem essa babaquice de ideologia do gênero em de vez apregoar amai uns aos outros”. Nascido em família neopentecostal e alfabetizado com os versos do Pentateuco, Jeza evoca também suas raízes na diáspora africana na música "Rolê de Ogum". O nome de Jeza se confunde com o título do seu principal hit, “Terrorista viado”. A vida do músico, digna de um grande personagem literário, oferece elementos para compreender a origem da composição. Com passagens pela carceragem da Polinter e pela Sorbonne, ex-michê de sauna, ex-concierge de hotel cinco estrelas, ex-vendedor de picolé, Jeza divaga com propriedade sobre o que é ser um “terrorista viado” em tempos de ascensão conservadora:

Ser terrorista viado é ter o corpo fechado contra toda sorte de normativice. É não se conformar com a bolsada de lixo homofóbica no pátio da escola. É sair do armário do telemarketing. É fazer um feat. de Jesus de Nazaré com tambores de candomblé. É ser mais passiva que o agressor.

Música e literatura marcaram a formação de Jeza, e sem preconceitos formais. Poeta editado em zines do Rio e de Santa Catarina, ele é autor publicado também na revista de arte erótica Nin. O show na Casa Éden contará com a direção musical de Eduardo Santana (Afrojazz) e Cairê Rego (Baleia). 

Ouça aqui o EP completo “Pagofunk Iluminati”:

Pega a mensagem

Pega a mensagem!

A t-shirt do Jefferson Cardoso já dá o recado e ele vem assim: cheio de atitude, estilo e com um penteado incrível!

Jefferson Cardoso dos Santos_Zona Norte Etc_Yolo Love Party_2_Foto Fabiano Albergaria

Foto: Fabiano Albergaria